Você deixou saudade – Final


Quarta feira de cinzas e como diz o nome, meu dia estava cinza, escurecido pela dor de ter que deixá-lo ir embora. Eu não sabia se era melhor dizer adeus ou um até logo. A primeira hipótese era a mais obvia. Ele iria para Los Angeles e eu ficaria aqui no Rio de Janeiro. Ele iria ter um casamento encomendado, enquanto eu ficaria aqui lembrando dos últimos quatro dias como se fossem as últimas quatro horas.  

Era 1h da manhã e eu estava contando minha dor para um amigo via whatsapp. Ele é como se fosse um irmão pra mim, e que mesmo longe, me ajuda, me orienta e às vezes me coloca as rédeas necessárias para que eu continue a caminhada. E quem estava comigo enquanto eu escrevia? Sim, o Guilherme. Ele ria como uma criança bobona, não sei se era o nervosismo ou minha feição de criança chorona. 

Eu estava louca de vontade de beijar aqueles lábios finos e avermelhados, mas por fora eu me fazia de durona, e não sei, mas querendo ou não deixei transparecer isso. Ele molhava os lábios com a língua olhando pra mim e ria. EU QUERIA CHORAR. Mas eu tinha que ser forte. Foram só quatro dias. Quatro dias de um amor intenso e que mexeu comigo. 

– Gabrielle. – Gritou minha tia. – Vamos na lanchonete 24h comprar algo pra nós comermos. Eu estou morta de fome. 

– Vamos sim. Guilherme, vamos conosco? – Eu perguntei.
– Não, Não. Pode ir lá e eu espero vocês aqui. – disse ele.
– Olha meu celular está carregando, vou deixar ele aqui. Cuida pra mim? – Perguntei.
– Beleza, vai lá, antes que sua tia morre de fome. – Brincou ele.


***

– Na primeira vez que a Gabrielle foi falar comigo, eu levei um fora daqueles. Ela é diferente de todas as garotas que eu conheci. Não é só pela beleza (tudo bem que ela é uma gatinha). Eu não a iludi. Tudo que falei pra ela é verdade cara. Ela às vezes não acredita e acha que eu estou mentindo em ir para Los Angeles ajudar meu pai a tocar o negócio. Eu contando você não acredita. Mas você precisava ver essa mina no dia em que a conheci. Ela vai me matar se saber que eu estou falando com você. Mas eu precisava falar com alguém próximo a ela. E ela diz que você é o irmão dela. 

Guilherme aproveitou a saída da Gabrielle, e chamou o melhor amigo dela pra conversar. Eles ficaram cerca de 40 minutos conversando sobre toda essa loucura. Um amor de quatro dias, não ia dar certo. Felipe, o amigo dela, só gostaria que tudo isso terminasse logo. Ele não gostaria de ver sua amiga na fossa depois da partida do Guilherme.

– Velho na boa, se fosse outra mina eu já teria beijado e caído fora. Mas ela não. Ela é diferente. Mas ela é doida, fica cortando meu barato. Mas o olhar dela será pra sempre inesquecível pra mim. Opa, ela chegou. E meu voo é as 6h da manhã. E já vou voltar pro hotel. Vou me despedir dela agora.

Guilherme apagou todas as mensagens trocadas e fingiu que nada aconteceu. E foi se despedir da pessoa que em quatro dias ele aprendeu a amar e que com toda a certeza ficaria pra sempre em sua memória. 

***

A Cidade Maravilhosa proporcionou momentos fascinantes no carnaval deste ano. Uma mulher sem perspectivas para o amor, aprendeu a amar. Um rapaz prometido por dinheiro à outra encontrou sua verdadeira identidade e seu verdadeiro amor. Mas como acabou tudo isso? A Gabrielle vai contar…

Quando voltei da lanchonete, ele já estava se preparando para ir definitivamente. Eu já estava quase me debulhando em lágrimas. E semelhante à escuridão da madrugada, era o buraco que estava sendo aberto no meu peito.

Saímos para fora da casa da minha tia. E depois de caminharmos um pouco em silêncio de mãos dadas. Chegamos à uma esquina e ele me pegou pela cintura e me virou de frente para ele. Minha respiração já estava ofegante e meu coração a mil. Ele olhou no fundo dos meus olhos e disse:

– Era só pra ter sido uma “ficadinha”. Mas você é diferente e muito especial. Gabi, eu poderia te beijar. Mas não vou fazer isso. Eu quero uma lembrança pura de você. Eu quero lembrar do seu sorriso. E eu não quero jamais que esse beijo se torne motivo de lágrimas depois. Eu não quero te ver sem esse sorriso por minha causa. – Disse ele. Enquanto eu já chorava.

Ele me deu um abraço apertado e me disse: “você é muito especial e merece muito ser feliz”. Me deu um beijo na testa, se virou, e foi embora. 

Eu ali, parada naquela esquina, escura, sem vida. Estava observando o meu amor, o amor de quatro dias partir. Eu já havia prometido à mim mesma que ele deveria ir, e que eu não iria impedir. O meu amor por ele, me deixou forte naquele momento de separação. Poderia ser a última vez em que eu o veria em toda a minha existência, e às últimas palavras que ele me disse ainda ecoavam em minha mente enquanto o último vestígio da silhueta dele, desaparecia do horizonte escuro da madrugada carioca. Eu me abracei como se estivesse abraçando ele e disse à mim mesma: “Guilherme, você deixou saudade”. 

Clique aqui e leia a primeira parte!
Clique aqui e leia a segunda parte!
Clique Aqui e leia a terceira parte!
*Essa série é baseada em fatos reais e a identidade dos personagens foi preservada pelo autor.

Por. Lucas Nascimento
compartilheisso@outlook.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.