Animais Fantásticos e Onde Habitam reacende a paixão pelo ‘mundo bruxo’

Eu escrevi um livro e estou terminando de escrever outro. Duas histórias diferentes e que pediram de mim o máximo da minha criatividade, que me fizeram, de fato, queimar o cérebro pra fazer as ligações entre os personagens, criar suas tramas paralelas, a jornada do herói, e antes de falar sobre Animais Fantásticos e Onde Habitam, eu preciso deixar claro que J.K Rowling não é um ser humano comum. Ela é super dotada, é realmente uma bruxa, com o dom da criatividade e escrita.

Anos atrás quando comecei a acompanhar Harry Potter, lembro que estava na primeira série do ensino fundamental e aquilo tudo era ‘mágico’ pra mim. Sem brincadeira, eu esperava a carta para a Escola todos os dias. Cresci lendo os livros e vendo os filmes. Eu brincava na rua com varinhas de árvores, como se fosse um grande bruxo.

Até que chegou o fim de tudo e jamais passou pela minha cabeça que algo tão extraordinário poderia fazer aquele mundo ressurgir. Talvez novas histórias com os filhos de Harry na escola, afinal, em qual casa Alvo Severo ficou? Eles viveram quais tipos de aventura dentro de Hogwarts? São curiosidades minhas, sanadas, talvez, em Harry Potter e a Criança Amaldiçoada, mas esse post é sobre Animais Fantásticos…

Acho que todo fã já se emociona na primeira cena: a abertura característica dos filmes de Harry Potter surgindo na tela do cinema fez meu coração palpitar. Garanto que não esperava muito, mas eis aqui a minha admiração por J.K Rowling: ela conseguiu outra vez.

Newt é um personagem que passaria despercebido em qualquer outra história ou filme, mas, ele consegue chamar a atenção logo de início com aquele jeito meio esquisito de andar e aquela cara de “bobão” que em alguns momentos dão bastante raiva. O longa consegue nos fazer criar empatia com ele, e sua mala, logo nas primeiras cenas.

A vontade de bater em Tina, ex Auror, era quase incontrolável. De início, ela se mostra uma personagem chata e petulante, mas que foi me encantando na medida em que fazia Newt se apaixonar, até acho que foi construída assim propositalmente. Queenie é, uma peça chave da história, na minha opinião. Ela sabe ler mentes e é carismática, e isso faz dela o ponto de humor que o longa precisaria, junto com as risadas do No-Maj Jacob Kowalski. Inclusive: é a primeira vez que vemos bruxos interagindo com um “trouxa”, que não sabia, e nem sonhava, com a existência da magia, uma das outras coisas que achei espetacular.

Aliás, humor não falta no filme, o que a gente raramente via nos filmes da série Harry Potter, que já tinham uma pegada mais sombria.

Pra não esquecer de falar, o grande vilão nestes cinco filmes será Gellert Grindewald, o possível “ex namorado” de Dumbledore, que também terá sua vida um pouco mais explorada ao longo da série. E também saberemos, afinal, se Ariana, a irmã morta que Alvo sempre escondeu, era uma Obscurus, a força parasita encontrada em Credence, durante essa primeira parte.

Eu escrevi um livro e estou terminando de escrever outro. Duas histórias diferentes e que pediram de mim o máximo da minha criatividade, que me fizeram, de fato, queimar o cérebro pra fazer as ligações entre os personagens, criar suas tramas paralelas, a jornada do herói, e antes de falar sobre Animais Fantásticos e Onde Habitam, eu preciso deixar claro que J.K Rowling não é um ser humano comum. Ela é super dotada, é realmente uma bruxa, com o dom da criatividade e escrita.

Anos atrás quando comecei a acompanhar Harry Potter, lembro que estava na primeira série do ensino fundamental e aquilo tudo era ‘mágico’ pra mim. Sem brincadeira, eu esperava a carta para a Escola todos os dias. Cresci lendo os livros e vendo os filmes. Eu brincava na rua com varinhas de árvores, como se fosse um grande bruxo.

Até que chegou o fim de tudo e jamais passou pela minha cabeça que algo tão extraordinário poderia fazer aquele mundo ressurgir. Talvez novas histórias com os filhos de Harry na escola, afinal, em qual casa Alvo Severo ficou? Eles viveram quais tipos de aventura dentro de Hogwarts? São curiosidades minhas, sanadas, talvez, em Harry Potter e a Criança Amaldiçoada, mas esse post é sobre Animais Fantásticos…

Acho que todo fã já se emociona na primeira cena: a abertura característica dos filmes de Harry Potter surgindo na tela do cinema fez meu coração palpitar. Garanto que não esperava muito, mas eis aqui a minha admiração por J.K Rowling: ela conseguiu outra vez.

Newt é um personagem que passaria despercebido em qualquer outra história ou filme, mas, ele consegue chamar a atenção logo de início com aquele jeito meio esquisito de andar e aquela cara de “bobão” que em alguns momentos dão bastante raiva. O longa consegue nos fazer criar empatia com ele, e sua mala, logo nas primeiras cenas.

A vontade de bater em Tina, ex Auror, era quase incontrolável. De início, ela se mostra uma personagem chata e petulante, mas que foi me encantando na medida em que fazia Newt se apaixonar, até acho que foi construída assim propositalmente. Queenie é, uma peça chave da história, na minha opinião. Ela sabe ler mentes e é carismática, e isso faz dela o ponto de humor que o longa precisaria, junto com as risadas do No-Maj Jacob Kowalski. Inclusive: é a primeira vez que vemos bruxos interagindo com um “trouxa”, que não sabia, e nem sonhava, com a existência da magia, uma das outras coisas que achei espetacular.

Aliás, humor não falta no filme, o que a gente raramente via nos filmes da série Harry Potter, que já tinham uma pegada mais sombria.

Pra não esquecer de falar, o grande vilão nestes cinco filmes será Gellert Grindewald, o possível “ex namorado” de Dumbledore, que também terá sua vida um pouco mais explorada ao longo da série. E também saberemos, afinal, se Ariana, a irmã morta que Alvo sempre escondeu, era uma Obscurus, a força parasita encontrada em Credence, durante essa primeira parte.

Pra não dar muito mais spoilers, quero dizer que Animais Fantásticos reacendeu aquela paixão de criança que eu tinha, aquela vontade de viver de verdade tudo aquilo. Além disso, se você ficar bem atento, vai perceber diversas referências aos acontecimentos narrados em Harry Potter e as Relíquias da Morte.

Sai da Première em São Paulo sem palavras para descrever aquelas quase três horas de exibição. E, pra provar que não estou falando besteira, a nova aventura do Mundo Bruxo de J.K. Rowling, é líder absoluto de bilheterias no Brasil em seu primeiro final de semana em cartaz. O total arrecadado, considerando as pré-estreias pagas, é de R$22 milhões e mais de 1,3 milhão de pessoas já foram aos cinemas conferir a história de Newt Scamander e sua mala.

Ufa! Bom, pra mim, o que define a volta dessa magia toda em nossa vida, pode ser a frase eternizada no coração de todo PotterHead, por Severo Snape, numa conversa com Dumbledore. “Depois de todo esse tempo?” “Sempre!”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.