#LucasViaja: Santander, sofisticação, cultura e beleza no interior da Espanha

Palacio de La Magdalena, em Santander, Espanha

Passamos 30 dias viajando pela Europa. Nesta série, você descobrirá detalhes de como aproveitar e qual foi o roteiro que eu e o Felipe, meu marido, fizemos pelo velho continente. Além disso, tentarei detalhar todos os meus gastos com passeios, hospedagens, alimentação e transporte em cada um dos destinos para que você, viajante, saiba o que te espera quando colocar o pé no avião rumo ao seu sonho. Vem comigo? Chegamos em Santander.

Ao norte da Espanha tem uma cidade de nome bem famoso, conhecida mundialmente por ser a cidade natal de um das maiores instituições financeiras do mundo, o Banco Santander. 

O voo Iberia foi bem turbulento até Santander, logo, não houve serviço de bordo. O mau tempo não permitiu. O avião era um modelo do pequeno A319, bastante antigo, e como de praxe nos voos internos da Europa, não há entretenimento de bordo.

Chegamos na cidade às 22h, com bastante vento e chuva, após cerca de 9h de viagem, saindo de Lisboa, com conexão de cinco horas em Madrid, em que ficamos aguardando no gigantesco aeroporto de Barajas. 

Fomos para Santander porque a tia do Felipe, Iracema, vive na cidade há cerca de 17 anos quando decidiu se mudar do Brasil para ter uma vida melhor na Espanha. Lá, após algumas dificuldades, ela conheceu seu atual marido com quem vive até hoje. 


Farol del Cabo Mayor

Eu, particularmente, não esperava que fosse me encantar por essa pequena cidade litorânea espanhola, mas as primeiras horas passeando pela cidade foram o suficiente para me fazer mudar de ideia. 

Sim, a cidade é banhada pelo oceano nas quatro pontas e, mesmo neste primeiro dia frio, pudemos perceber um charme diferenciado. A Playa del Sardinero, mesmo com o tempo ruim e as comuns águas terrivelmente geladas do norte, estava recheada de surfistas que foram em busca das gigantescas ondas. E, olha, duvido que eles tenham se arrependido. Ondas de mais de três metros quebravam nas paredes de concreto que, provavelmente foram construídas ali por conta da violência do mar, um show à parte. 

Logo após, tia Iracema nos levou para conhecer o Palacio de la Magdalena.  Localizado na Península del Magdalena, o castelo foi construído entre 1909 e 1911, por assinatura popular, para abrigar a família real espanhola durante o verão. Sim, um castelo de 365 janelas construído à pedido da família real APENAS para o verão. Hoje, mesmo com a Espanha ainda vivendo no regime monárquico, o Palácio se tornou uma universidade. 

Na Península del Magdalena há um pequeno zoológico com pinguins, leões marinhos e outras aves estão à mostra para os turistas. O interessante é que todos estão dentro do habitat natural, o arquipélago recebe diariamente e naturalmente água do mar. Há, também, contações de história com estátuas e também reproduções da época das grandes navegações. 

Visitamos também a Baía de Santander, na ocasião em que estivemos lá, uma caravela da época dos descobrimentos estava ancorada na cidade fazendo a alegria dos locais e turistas.  

Dia 2

No dia seguinte, começamos o passeio pela Playa del La Maruca, ao norte da cidade. O dia estava mais quente e conseguimos colocar o pé na água geladíssima do Mar Cantábrico no Golfo de Biscaia. Eu amo praia e, mesmo gelada, o mar é sempre revigorante. 

Playa Del Sardinero – Praias de Santander, na Espanha

Depois disso, fomos ao Farol del Cabo Mayor, que foi construído em 1839 no mesmo local onde antigamente eram feitas placas para os barcos com bandeiras para o dia e com fogo à noite. Tem uma altura de trinta metros e é o farol mais importante da Província da Cantábria. Tiramos algumas fotos, fizemos um lanche e corremos para um outro ponto interessantíssimo da cidade: Museo Marítimo del Cantábrico

Ele é um espaço moderno e muito atraente, nascido como uma homenagem a esta região do norte da Espanha ao seu mar. Ao longo de 3.000 metros quadrados, o museu conta como a relação entre o homem e o meio marinho tem sido ao longo da história.

Este espaço de exposição está dividido em quatro seções principais: – Vida no mar, dedicada à biologia marinha; Pescadores e pescas, sobre etnografia da pesca; O Golfo da Biscaia e o mar na história – Vanguarda tecnológica. 

Após o passeio no museu, aproveitamos para conhecer o Centro Botín e subimos em seu terraço. Fechando nosso último dia de passeios em Santander, fomos agraciados com um lindo arco-íris.

Fizemos compras em Santander, mas isso fica para outro post.

Minhas impressões: a cidade é pequena, mas o seu charme, sofisticação, cultura e beleza valem o passeio. É daqueles locais sem ‘high tourism’ e que você conseguiria passar meses inteirinhos sem nenhum problema. É uma cidade pacata, parecida com cidade grande, que eu amei conhecer e, como temos parentes lá, não vejo a hora de voltar. 

E, claro, no meu Instagram @lucasnascimentp, tem um destaque com tudo o que fizemos em Santander

Custos da viagem à Santander

Gasto totais para duas pessoas

Passagens aéreas: R$ 400 por pessoa – Ida e Volta – Tarifa Light com bagagem despachada de 23kg incluída;
Hospedagem: Casa da Tia Iracema – R$ 0,00
Passeios: 8€ (R$ 35,89) por pessoa – Museo Marítimo del Cantábrico
Transporte: Carro com a Tia Iracema – R$ 0,00. Passagens de ônibus na cidade custam 1,50€. 
Alimentação: Todas as alimentações feitas em casa – R$ 0,00, mas é uma base de 10€ para comer em restaurantes na cidade. 

Mas, para postar tudo isso no Instagram, eu precisei de internet na Europa, né?! Por isso, agora sempre que viajo, eu conto com o serviço da Travel Mobile. Eles oferecem os chips das melhores operadoras em cada país que você vai. Por exemplo, na Europa, usei a operadora Orange – que funcionou super bem em todos os países que já fui – e ainda contei com assistência 24h, serviço de voz e SMS ilimitado pra qualquer emergência. 

Tudo isso por um preço que cabe no seu bolso, viajante! E, melhor, leitores de COMPARTILHE, comprando com o link da nossa parceria ganha desconto. É só entrar no site deles clicando aqui.

Lembrando que, para viajar para a Europa, é OBRIGATÓRIO o uso do Seguro Viagem, um custo mínimo para a sua viagem e que te protege em qualquer eventualidade que possa acontecer durante sua trip. Sem seguro, você sequer passa da imigração. Fique atento!

No próximo post chegamos à Terra da Rainha, Londres . Fica comigo e vem saber o que fazer quando decidir ir à Europa. Perdeu o post anterior?

Descubra aqui sobre Lisboa, um pedaço do Brasil na Europa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *