‘Paradinha’: Anitta bate recorde de vídeo mais visto da América Latina em 24h; confira a entrevista


Anitta se consolidou no mercado fonográfico a pouco menos de 5 anos e já alcançou esferas homéricas. Foi a primeira brasileira a se apresentar no The Tonight Show Starring Jimmy Fallon, cantou na abertura dos Jogos Olímpicos e é – a cantora brasileira mais bem-sucedida que segue em carreira internacional – ou seja, é um lacre humano, ouvi-la falar por cinco minutos é um coaching de carreira.

Na tarde desta quarta, 31, ela decidiu inovar mais uma vez e lançou “Paradinha”, seu primeiro single internacional e cantado por ela totalmente em espanhol. O vídeo, em menos de 24h desde que foi disponibilizado, já recebeu mais de 8 milhões de visualizações. É o recorde de vídeo mais assistido em menos de 24h em toda a América Latina.

O clipe foi gravado em Nova Iorque, segundo Anitta, por logística. A equipe técnica do diretor Bruno Igloti já reside na cidade e, como a carioca tem feito diversas viagens para a cidade americana, eles decidiram que a gravação deveria ser mesmo por lá.

A rainha do pop conta que teve ajuda de muitos profissionais, tanto musicais, quanto em idiomas, e que vem estudando o mercado musical há muito tempo e que para lançar uma música totalmente em espanhol no Brasil, ela teve que ajustar “o ouvido do brasileiro” para a música neste idioma. Bati um papo legal com a cantora no evento de lançamento na sede do Google Brasil, confira a entrevista abaixo.

Lucas: Como foi a decisão de lançar em espanhol?

Anitta: Bom, estou estudando o mercado musical há uns dois anos e vejo números. O brasileiro não ouvia música em espanhol. Tive que fazer as pessoas se acostumarem com o ritmo latino, com a língua e tudo mais. Primeiro lancei o remix de “Ginza”, com o J. Balvin, então não me arrisquei muito e logo depois, lancei “Sim ou Não” com o Maluma, metade em português e metade em espanhol. Foi difícil colocar a música nas rádios, eles ficavam com medo de tocar, mas, deu certo e a música é um sucesso. Agora o espanhol já está presente nas músicas que os brasileiros mais ouvem, dá para perceber com “Chantaje”, da Shakira com o Maluma e “Despacito”, do Luis Fonsi. Então pensei: ‘a hora é agora’, e depois de muito planejar, lancei.

Lucas: Você gravou o clipe em NY semana retrasada e já lançou hoje, por que tão rápido?

Anitta: Eu sou uma capitão Nascimento e não queria e não deixaria a música ou o clipe vazar de jeito nenhum. O clipe foi gravado nas ruas de NY e as fotos dos figurinos, que eu queria que fossem surpresa, já foram vazadas, então pedi pro Bruno editar em tempo recorde pra gente lançar o mais rápido possível.

Lucas: Você lacrou no Jimmy Fallon, conta mais sobre isso.

Anitta: Iggy me ajudou muito desde o início e foi muito paciente. Cantar em inglês, sem sotaque, é muito difícil e eu precisei estudar e me adaptar para mudar isso. É aquela coisa de “muito esforço pra uma coisa que parece ser pequena, sabe”? Mas não é. No Brasil isso é enorme, lá fora, para eles é super comum e pensam. “Ah, mais uma cantora fazendo uma pontinha numa música”. Aqui eu sou grande, lá fora, não. Às vezes eu tenho que colocar os pés da minha equipe no chão. Eles chegam e falam: “Ah, mas você é a Anitta, você tem que agir assim”. No Brasil, eu sou a Anitta, conhecida, grande, eu não posso chegar num outro país em que ninguém me conhece e tentar ser alguma coisa. Da mesma forma que aqui eu comecei pequena, cantando no subúrbio do Rio, depois no Rio de Janeiro inteiro, depois o sudeste e depois todo o país, lá fora vai ser do mesmo jeito. Cantar no Jimmy foi uma experiência inesquecível e eu ainda estou meio sem jeito e tímida com isso.

Lucas: Algumas pessoas criticaram muito a Iggy por te dar, digamos, um espaço pequeno na música. O que você acha disso?

Anitta: É uma participação, não um dueto. Se a gente observar, normalmente quando há um “feat” os cantores cantam muito pouco e até menos. Então não tem porquê criticar. Como eu disse, Iggy foi muito generosa, e sou grata por isso.

Lucas: Você apostou forte no Raggaeton, vem mais música neste estilo?

Anitta: Sim, só mais uma ou duas. Mas, não vou fazer mais. Todo mundo já está fazendo isso e eu gosto de inovar. Muita música ‘igual’ cansa e fica chato pra quem ouve.

Lucas: Você se considera feminista?

Anitta: Eu sofro muito mais preconceito por ser mulher, do que um homem sofreria. Eu acredito que a gente precisa ser empoderada, batalhar e mudar isso. Feminista, sou sim, acredito que devemos ter direitos iguais sempre. Sou muito mais criticada por mulheres, também, então acho que temos que nos unir, principalmente.

Ela mandou um recadinho em vídeo para vocês!

Uma publicação compartilhada por Lucas Nascimento (@lucasnascimentp) em


Agora, assista Paradinha, o novo clipe de Anitta


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *