Eu me iludo, sim: O amor não é um jogo

Gostar de alguém, querer estar junto, demonstrar o teu sentimento deve ser algo bom, e não uma disputa como as pessoas fazem hoje em dia. Diferente da letra da famosa música da Taylor Swift, o amor não é um jogo! E se for, não é um jogo que eu queira jogar.

A gente costuma medir o “interesse” de uma pessoa no quanto ela gosta da sua companhia. Se ela quer te ver, se quer estar junto, se acha sua presença agradável. Mas e quando alguém começa a te afastar, não quer mais estar junto, quando ver uma formiga subir a parede é mais importante que estar com você… atenção: tem algo de errado acontecendo.

Um dos maiores erros que as pessoas cometem na hora de se relacionar é pensar: “já conquistei, então não preciso fazer mais nada”. Errado. Relacionamentos precisam de manutenção: horas de bate-papo, ver um filme juntos, uma noitada com os amigos, um beijo rápido no meio da Avenida Paulista pra quebrar a rotina do dia-a-dia… sim, é necessário.

Muita gente erra por insistir demais. Talvez seja o meu maior erro. Pedir para estar junto, querer ver, querer mostrar o quão importante a pessoa é. Mas espera aí: amor não se implora, cara. Amizade não se implora, carinho não se implora, isso deve vir de dentro, de forma espontânea…

A pessoa tem que querer estar com você, e se ela não quer, se pra ela, realmente, ver a formiga subir na parede for mais importante que estar com você, ela não te quer! Aceite isso! Demora pra cair minha ficha, mas uma hora ela cai.

É doloroso, mas eu prefiro que a pessoa não seja nada pra mim, do que ser só metade, ou pior ainda, ser algo forçado, estar comigo só porque fico implorando, pedindo, insistindo. Se minha companhia é tão ruim que dentro das 24h do dia ou das 168 horas que temos por semana, a pessoa não consegue encontrar 1h, 2h para estar comigo: ela não quer estar comigo.

Nesse modelo contemporâneo de se relacionar, eu aprendi, infelizmente, que amor gera amor e que desinteresse gera desinteresse. Cuidar de quem corre do seu lado, e quem te quer bem, que te faz dar aquela risada de doer as bochechas, se esforça sempre pra te ver bem e alegre. Valorizar as coisas mais simples é essencial, pois a saudade não traz nada de volta.

Compre meu livro “Eu me iludo, sim” e leia muito mais sobre isso. Clique aqui.  

Aproveite e me siga no snapchat: lucasnascimentp 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *