Eu me iludo, sim: É que às vezes dá tudo certo

Chego de mais um encontro e agora com um sorriso bobo no rosto. Feliz. É palavra certa pra descrever o sentimento – ou todo o acontecimento. Foi tudo tão legal que é inacreditável, em vista dos outros encontros. Era sempre “nada demais”, se juntando a outros “nada demais”, que foram se somando a mais outros e me fazendo a cada dia perder um pouquinho mais a fé. Até hoje.

Eu sou um Titanic que conseguiu se salvar de um iceberg de decepções e, te juro, eu consigo sentir isso. Meu navio vinha a toda velocidade pronto para bater e se rachar ao meio mais uma vez, mas desta vez… foi diferente. Agora eu volto pra casa, sentado, à meia-noite, com pouquíssimas pessoas no trem e a música falando alto nos fones de ouvido, e revivendo mentalmente tudo: o que eu fiz de diferente? É sorte? Destino? Não sei, mas deu certo e estou feliz.

Não forcei a situação, deixei acontecer, fui eu mesmo e sem medo, afinal, felicidade em jogo e coração destruído várias vezes aprende rápido a se reconstruir, a criar esperança! Já fui imaginando mais uma frustração, mas não, agora não. Agora eu tive a sorte de encontrar o amor tranquilo, com sabor de fruta mordida que eu tanto queria.

Sabe quando você pode falar da sua vida inteira, dos seus piores defeitos e ainda assim se sentir seguro com alguém? Quando você sorri com o olhar e é retribuído? Quando alguém quer mais que seu corpo e suas nudes, mas quer sua alma e sua essência? Quando você tem meia-hora de um papo interessante, que é melhor do que quatro monótonas de disputa entre melhor currículo e melhor emprego; entre mais interessado e mais desapegado. Ainda existe gente assim? Eu achava que não, mas encontrei!

Gente com profundidade, gente que tem brilho nos olhos, gente que encanta, gente que transforma a gente – e transforma pra melhor. Gente que faz a gente olhar pro fundo do nosso interior pra trazer ao exterior o melhor que podemos ser. Gente linda. Gente rara.

Eu quero gente profunda pra eu poder me jogar; reparou que temos medo de nos últimos entregar por ter só gente rasa ao redor e disponível? Gente que não puxa assunto, gente que não se interessa por mais nada além da boa noite de sexo?

Estou feliz porque encontrei alguém como eu: que já sofreu, que já viveu e aprendeu! Alguém que não pede, mas que oferece! Alguém que olhou pra mim e sorriu, que confiou que poderia ser feliz comigo e me deu uma chance. Uma chance de ser feliz, talvez, como nunca fui! Alguém que me faz sorrir com uma simples mensagem, alguém que me faz querer ficar eternamente num encontro, alguém com o abraço que encaixa, com o perfume inesquecível, alguém que me faz sonhar todos os dias em como deve ser incrível a sensação de acordar ao lado dela e sorrir por ter a sorte de ter tido essa chance; única, de amar e ser amado.

Sai desse encontro com a certeza de que o mundo ainda tem salvação, de que ele girou e a minha vez chegou. No mesmo mundo cheio de gente superficial, gente profunda é raridade. Amarei, cultivarei, viverei intensamente e sem medo, minha hora chegou!

Tem muito mais no meu livro “Eu me iludo, sim” que será lançado em São Paulo no próximo dia 23 de julho. Clique aqui e confirme presença no evento. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *