‘Quem tem rótulo é produto de supermercado’, diz Visky

Todos se afeiçoaram rápido pelo personagem mais divertido da novela das onze Verdades Secretas (Rede Globo), o booker Visky (Rainer Cadete). Gay assumido, extremamente afeminado, ele compete o amor de Leo (Raphael Sander), um dos modelos, com a administradora da Agência Fanny Models, Lurdeca (Dida Camero).

Lurdeca (Dida Camero) e Visky (Rainer Cadete) em cena competindo o amor de Leo (Raphael Sander).

Com muita desilusão e foras, ambos os personagens sofrem, choram, se digladiam, se odeiam e trocam farpas o tempo todo por causa do boy magya, que, na verdade, não quer nenhum dos dois. Só para alguns divertimentos, que os deixam na fossa no dia seguinte.

É aí que entra a vodka. Eu, particularmente odeio vodka, porque todas vezes que eu estive sob o efeito dela eu fiz bobagem. Bobagens cômicas, algumas bem horríveis que não vale dizer porque, né, é vergonhoso. Bom, Visky e Lurdeca são como eu. Vodka + carência= a gente fazendo merda. 

Leo (Raphael Sander) passa uma noite de carícias e descobrimentos com Visky, mas logo o descarta. 

Após Leo dormir na casa de Lurdeca, ela roubar a cueca dele para se gabar, e ainda levar um fora, a ‘baleia’ como é chamada, entra em estado de fossa e mesmo sendo “inimigos”, chama Visky para algumas rodadas da bebida em um barzinho caro, já que a gay teria “perdido a aposta”. Após algumas rodadas, Lurdeca conta a verdade e começa a chorar inconsolável. O booker tenta consolar a ‘amiga’, e a leva para seu apartamento. Após uma conversa mais íntima acabam se beijando e passam a primeira noite juntos. Acordam desesperados no outro dia dizendo que “foram abusados um pelo outro e que não era pra contar para ninguém o que havia acontecido ali, senão seria fim de carreira”.

Lurdeca e Visky acordam desesperados após noite de amor.

Alguns dias depois é a vez de Visky ser desiludido por Leo, após uma noite bem íntima e que o modelo afirmou ter sido de “descoberta”. Ele vai embora cedo afirmando que “não aconteceria novamente e que Visky poderia desistir”. As palavras do modelo foram o suficiente e o booker mais uma vez estava na fossa ‘sofrendo de amor’. 

Lurdeca percebeu e perguntou se poderiam tomar outra vodka no apartamento do rapaz, que logo a convidou porque precisava desabafar. Em clima romântico, outra vez Visky vai para a cama com a moça e as redes sociais vão ao delírio.

E a gente se diverte! #verdadessecretas Eu shippo Visky e Lourdeca! pic.twitter.com/WN6uV6PM01

— Raphael Sander (@RaphaelSander) 12 agosto 2015

Cura gay existe sim!!!! E o nome dela é Lurdeca. Perdemos uma guerreira. R.I.P Visky. #VerdadeSecretas pic.twitter.com/1jO3icGet9

— Lucas Nascimento (@lucasnascimentb) 12 agosto 2015

Mas Visky quer nos passar uma lição com isso: ele nos ensina que o amor não deve ter rótulos. Eles se relacionaram por carência? Sim, mas quebrou um grande TABU de que gays nunca, em hipótese alguma, podem ficar, ou sentem desejo por mulheres. Ou, mulheres héteros não podem se relacionar com gays, por eles gostarem “da mesma fruta”.

Visky chora após fora de Leo. 

Sabe aquele rótulo de machão fodedor? Não vale mais nada. Ou aquele tão famoso de bichinha que apelidavam os moleques na escola? E que Visky se enquadra perfeitamente? Muito menos. As pessoas pararam de se preocupar com o que pensam delas e começaram a se preocupar com sua felicidade. Não importa se o rapaz vai namorar uma mulher ou um homem, o que importa é se ele será feliz com um dos dois. É uma revolução ideológica que está acontecendo em nosso país, em nossas cidades, com nossa cultura. Só não enxerga isso quem não quer.

– Lucas, então você quer dizer que não existe mais os rótulos de gay, hétero, bissexual, lésbica, e afins? De jeito nenhum. Isso sempre continuará existindo. Porém, no meu ponto de vista, com menor intensidade: da mesma forma que um rapaz hétero pode se apaixonar por um outro rapaz, um garoto gay pode se apaixonar por uma menina e, em ambos os casos, podem ser felizes.

Visky e Luderca se beijam após algumas doses de vodka. 

Eu mesmo já shippo o casal Lourvisky com todo o meu coração. Quem tem rótulo é produto de supermercado e não seres humanos pensantes naturalmente complexos nas formas de sentir e amar. 

Em meio a tanto caos, tantos problemas, ao corre-corre do dia a dia, ficar guiando o coração para o que, qual sexo ou por quem devemos nos apaixonar deixou de ser prioridade. O mandamento principal agora é: sejamos felizes, como quisermos ser.

Por. Lucas Nascimento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *