Mulheres e a competição feminina

Por. Valquiery e Glayceane Souza
compartilheisso@outlook.com


Quando o assunto é competição feminina as opiniões se dividem.

Mas cá entre nós, quem nunca olhou para outra mulher e pensou “ela está mais bonita do que eu!”? Nós mulheres temos essa natureza.


Basta outra mulher ter um “que” a mais que já nos sentimos ameaçadas e queremos reagir.
Psicólogos afirmam que a competitividade feminina está ligada a cultura, e que ela sempre existiu, pois de nós mulheres sempre é exigido o máximo, temos que ser as melhores no que fazemos, seja como dona de casa, mãe, esposa, funcionária e etc.

Ou seja, crescemos com essa competição sendo “alimentada”.
O que muitas vezes confundimos é a competição com a rivalidade.

Não competir nos dias de hoje é quase impossível, vivemos em uma sociedade que somos ensinadas a nos superar e consequentemente competimos com outras mulheres seja em nosso dia a dia, trabalho, no meio social e etc.

Já a rivalidade surge com a inveja, irritação, raiva, vontade de prejudicar, ciúme e essa sim trás muitas consequências ruins, mulheres que desenvolvem essa rivalidade são capazes de coisas terríveis para prejudicar sua rival.

Não podemos confundir COMPETIÇÃO com RIVALIDADE, embora sejam muito parecidas não são a mesma coisa.

Estivemos conversando com algumas mulheres sobre esse assunto, e cada uma delas olha este tema de uma forma diferente.

A estudante Samíris Oliveira de 17 anos afirma:
“Tem mulheres que realmente competem, tem outras que não. Acho desnecessário isso, cada uma tem seu estilo, opinião, princípios. Umas se sobre saem mais do que as outras mas isso não é motivo para competição. Acho que todas devem confiar em seu potencial, sem precisar competir com as outras.”

Já a universitária Jennifer Soares relata:
“Acredito que o ser humano é competitivo como um todo, e existe sim a competição feminina. Não só em relação a objetivo financeiro, social, mas principalmente com o que diz respeito a moda.”

As opiniões se diferem um pouco, mas ambas afirmam e confirmam que a competição feminina existe sim e que nenhuma de nós está livre disso.

Vamos nos policiar para não nos tornarmos mulheres chatas, que fazem de tudo para ser melhor do que as outras, afinal de contas ninguém suporta pessoas que se julgam melhor ou superiores as outras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *