Tabu: Corpos alterados

Corpos Alterados
Foto: Reprodução.
Por. Lucas Nascimento
compartilheisso@outlook.com

Hoje eu tenho como base para o texto a série de documentários do  National Geographic Channel.

Quando perguntado se a sociedade aceita o que é diferente, a resposta absoluta é: não. E quanto a corpos alterados? 

Piercings, tatuagens, alargadores, implantação de silicone nas testas, seios e bumbum? Algumas pessoas acham normais alguns tipos de modificações no corpo: entre os mais famosos estão a implantação de silicones, tatuagens e alguns piercings. Mas e quando se tornam uma obsessão? É normal. 

Foto: Reprodução.

Não. Ou pelo menos nós achamos estranho. 

O que leva uma pessoa a colocar duas próteses de silicone na testa, fazer várias tatuagens pelo corpo e várias implantações de piercings pelo corpo, para ter a aparência de um vampiro? Ou colocar um alargador tamanho “gigante” para deixar as orelhas horrorosamente enormes e tudo isto sem explicação obvia alguma? 

Tabu América Latina: Corpos modificados
Foto: Reprodução.

Nossas mães nos orientam a manter um bom visual e uma ótima postura para posteriormente conseguirmos um bom emprego, para não ficarmos “mal encarados” e assim perdermos uma boa oportunidade de crescimento na vida. Creio que as mães destes cidadãos devem se desesperar ao ver a nova fisionomia dos filhos após algumas alterações em seus corpos originais. Alguns destes pais se entregam as paixões dos filhos e se modificam também!

Só de ver nós sentimos calafrios com o colombiano Julio César. Este homem usa seu corpo para se suspender no ar. Suas costas e seus joelhos são atravessados por ganchos, para ele se pendurar de um helicóptero. Além de se expor à dor, ele desafia a morte.

Opinião: Ou isto é uma estranha grande necessidade de chamar a atenção, ou é loucura mesmo. Não há outra explicação para pessoas que modificam ou utilizam seus corpos pra esse tipo de coisa. 

Para muitos, o corpo é um templo sagrado que não deveria ser modificado. Para outros, uma forma de expressão. E por meio de técnicas novas ou milenárias, essas pessoas querem diferenciar-se dos demais e buscar um novo aspecto enquanto indivíduos.

Se machucar, sentir dor, mudar, se marcar, é a maior forma que o ser humano encontra para chamar a atenção. Muitas vezes a falta de auto afirmação transforma-se em chamar a atenção para se afirmar.

Como disse a Lu Schievano em A fazenda (TV Record), “Eu sou diferente, e estou feliz de ser diferente”, e acabou sendo tachada de louca. Ser diferente na sociedade onde tudo é igual, é tabu.

 Para muitos o ser diferente é legal ou até a melhor escolha a se fazer. Eu acredito que seja. 

Mas não de forma tão estranha como estas pessoas que modificaram o corpo. Mas para ser diferente eu procuro: pensar de forma diferente, agir de forma diferente, e viver de forma diferente. 

Atitudes extremas levam você a ser diferente mas na maioria das vezes não de forma boa ou até mesmo saudável. Busque a diferença no seu interior e não com seu visual exótico. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *